fbpx

Cirurgias robóticas para implante de prótese de joelho - Austa Hospital

Austa Hospital adquire robô de última geração e realiza as primeiras cirurgias robóticas para implante de prótese de joelho

O Austa Hospital, de São José do Rio Preto (SP), que integra a holding de serviços de saúde Hospital Care, é a primeira instituição de saúde da região noroeste do Estado de São Paulo a dispor do robô ROSA® Knee System, projetado para auxiliar os médicos a realizar com muito mais precisão e eficiência cirurgias de substituição total do joelho. No dia 18 de novembro, a equipe do Austa Hospital realizou procedimentos em pacientes que têm artrose no joelho, o que compromete de forma importante a sua qualidade de vida.

Segundo o ortopedista Aldo Costa, do Austa Hospital, 60% dos idosos no Brasil têm artrose no joelho. Destes, 20% sentem dor e precisam de cirurgia para recuperar o bem-estar. Estima-se então que, só no Estado de São Paulo, sejam 3 milhões de idosos com este problema na articulação, dos quais, 600 mil têm no procedimento cirúrgico a melhor alternativa de tratamento. “Este investimento do Austa Hospital é importantíssimo para nossa população, pois permite a nós, médicos, realizarmos um procedimento adequado a cada paciente, pois a anatomia de cada um de nós é individualizada, o que requer um ato cirúrgico específico para cada pessoa”, explica Dr. Aldo Costa.

O ROSA Knee proporciona estas condições ao cirurgião por ter sido projetado para ajudá-los a otimizarem a precisão e a eficiência do planejamento e execução de uma cirurgia de substituição total do joelho, auxiliando no posicionamento adequado do implante com a anatomia específica do paciente em mente.

O ortopedista Marcos Zanovelo Bueno, que também realizou os dois procedimentos, destaca a principal vantagem da cirurgia robótica em relação ao método convencional. “É a visão tridimensional e ampliada que nós cirurgiões temos dos ossos e tecidos, possibilitando maior precisão de movimentos e menor risco de complicações durante o ato cirúrgico. Esses fatores contribuem positivamente no resultado, diminuindo as chances de complicações no pós-operatório e o tempo de internação hospitalar”, salienta Dr. Zanovelo.

Tamanha precisão é obtida por ser o robô composto por uma plataforma robótica, com ferramentas de planejamento pré-operatório em três dimensões (3D) e que fornece ao cirurgião dados intraoperatórios em tempo real sobre tecidos moles e anatomia óssea, projetada para facilitar a precisão do corte ósseo e análise de amplitude de movimento. A tecnologia e seu uso são aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“O sistema fornece uma análise contínua de dados para nos auxiliar na tomada de decisões complexas e permite que usemos a tecnologia de computador e software para posicionar instrumentos cirúrgicos, permitindo grande precisão durante os procedimentos”, explica Dr. Aldo.

O ROSA Knee apresenta o protocolo de imagem X-Atlas™ – que fornece imagens pré-operatórias baseadas em raios-X para criar um modelo 3D e plano da anatomia óssea do paciente – e mapeamento intraoperatório em tempo real da anatomia e movimento de um paciente, para ajudar os cirurgiões a personalizarem procedimentos e otimizarem a colocação do implante.

 

Precisão da cirurgia robótica oferece enormes benefícios ao paciente

O joelho é uma articulação cuja anatomia é bastante individualizada, portanto, a cirurgia para substituição total do joelho deve ser adequada a cada paciente, explica Dr. Aldo Costa. O sistema formado pelo robô e o computador analisa a anatomia do joelho, o seu eixo (varo ou valgo) e a rotação com extrema precisão, fornecendo os dados que permitem ao cirurgião implantar a prótese de forma mais perfeita possível.

Os benefícios são enormes. “O paciente operado com o auxílio do robô tem os movimentos do joelho mais adequados, melhor mobilidade, adquirida em menor tempo e são extremante reduzidas as chances de sentir dor”, destaca Dr. Aldo Costa.

compartilhe Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter

Novembro Azul – Ação Solidária

Em parceria com o Instituto dos Cegos, Austa Hospital e o Austa Medicina Diagnóstica realizam consulta e exame preventivos de câncer de próstata em 36 deficientes visuais Passada a pandemia da covid-19, o Austa Hospital e o Austa Medicina Diagnóstica voltam a realizar este ano uma importante ação de prevenção ao câncer de próstata, no Instituto dos Cegos Trabalhadores de Rio Preto. Durante a manhã desta terça-feira (21/11), 36 deficientes visuais passaram por consulta com Dr. Glauco Veloso Rodarte de Melo, o médico urologista do Austa Hospital e coordenador da ação solidária. Na primeira ação, realizada em 2019, um dos 40 homens atendidos descobriu ter câncer de próstata. “Felizmente, houve tempo de realizar a cirurgia e ele está curado. Salvamos uma vida, o que recompensa o empenho de todos do Austa e do instituto envolvidos nesta iniciativa”, afirma o urologista. Pai de um deficiente visual, Dr. Glauco, ao ter contato com o Instituto, constatou à época que os homens com mais de 40 anos atendidos pela entidade jamais haviam realizado o exame preventivo. “Convidei o Austa Hospital para ser parceira nesta ação de prevenção e aderiu imediatamente”, conta o urologista. Além do hospital, o Austa Medicina Diagnóstica também participa, realizando os exames de PSA, sigla em inglês para o antígeno prostático específico, que tem por objetivo auxiliar o médico urologista na detecção, precoce ou não, do câncer de próstata e de outras doenças, como a hiperplasia prostática benigna e a prostatite. A fisioterapeuta Regiane Pires, coordenadora do Instituto dos Cegos Trabalhadores, destacou a importância da ação. Assim como em 2019, desta vez o professor de música Nei Cândido dos Santos fez questão de fazer o exame e passar pela consulta. “Para nós, que temos dificuldade de mobilidade pela cidade, é realmente complicado ir a um centro médico para fazer o exame. Com essa ação, fica mais prático para nós, que já estamos acostumados a vir aqui no Instituto”, disse o professor de música. O aposentado Ailton da Silva fez questão de se deslocar de Catanduva, onde mora, para ser avaliado pelo urologista, como fez em 2019. “Fazer o exame todo ano nos dá tranquilidade. Todos os homens têm que deixar a vergonha de lado e se prevenir”, afirmou. A importância da mensagem de Ailton fica evidente diante do resultado da pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) sobre a percepção do homem sobre sua saúde. No levantamento, apenas 32% dos homens acima de 40 anos disseram estar muito preocupados com sua saúde e 46% só vão ao médico quando sentem algo. Esse número aumenta para 58% se o homem utiliza apenas o SUS. Apesar do descaso, metade deles tem medo ou ansiedade quando pensam em sua saúde. Apesar de ser a doença mais prevalente da próstata, a hiperplasia benigna (HPB) é conhecida apenas por 43% dos homens. A maioria diz saber sobre o câncer (75%) e a prostatite (59%). O desconhecimento da HPB é maior entre os mais jovens, de 40 a 44 anos (apenas 39% sabem o que é), e entre os moradores da região Norte (33% sabem o que é). A estimativa é de que cerca de 50% dos homens acima de 50 anos terão algum grau de HPB. Na HPB a próstata, uma glândula localizada abaixo da bexiga em homens, aumenta de tamanho devido ao crescimento celular excessivo. E é mais comum em homens acima de 50 anos. Os sintomas incluem aumento da frequência ao urinar durante o dia, diminuição da força e calibre do jato urinário, dificuldade para iniciar a micção, sensação de urgência para urinar e outros sintomas relacionados ao trato urinário. Esses sintomas ocorrem porque o aumento do tamanho da próstata pode comprimir a uretra, o canal que transporta a urina da bexiga para fora do corpo. Isso leva a uma obstrução parcial do fluxo urinário e causa os sintomas mencionados. Além disso, a HBP também pode afetar o funcionamento da bexiga e dos rins. A obstrução do fluxo urinário pode causar um aumento da pressão dentro da bexiga, o que pode levar a problemas na capacidade de esvaziar completamente a bexiga. Isso, por sua vez, pode resultar em infecções urinárias recorrentes e outros problemas relacionados à bexiga. A identificação precoce dos sintomas da HBP é importante para que o tratamento possa ser iniciado imediatamente. Existem várias opções de tratamento disponíveis, incluindo medicamentos para diminuir o tamanho da próstata e aliviar os sintomas, terapia comportamental para melhorar o controle urinário e, em casos mais graves, cirurgia para remover a parte da próstata que está causando a obstrução. Alguns sinais e sintomas, embora não específicos do câncer de próstata, podem ser encontrados e merecem muita atenção: – sangue na urina ou no sêmen; – micção frequente; – fluxo urinário fraco ou interrompido; – noctúria (levantar-se diversas vezes à noite para urinar).

21 de Novembro MAIS

Cirurgia feita com laser mais moderno do mundo, é realizada no Austa

Mais um exemplo dos avanços da tecnologia na medicina em benefício dos pacientes. O urologista Marcelo Cartapatti e equipe do Austa Hospital, de Rio Preto, realizaram, na última sexta-feira, cirurgia com utilização de laser de última geração para tratamento de próstata aumentada em homem de 76 anos, morador de Bady Bassitt. Nesta segunda-feira, apenas três dias após o ato cirúrgico, o paciente teve alta hospitalar, uma das vantagens deste procedimento chamado enucleação de próstata com Thulium laser, considerado o mais moderno do mundo para esta finalidade. O procedimento foi realizado também pelo urologista Felipe Pugliese, do Hospital Brigadeiro, de São Paulo. Atualmente, esta cirurgia a laser é a mais recomendada para solucionar a hiperplasia benigna de próstata, como é chamado o aumento desta estrutura interna do aparelho reprodutor dos homens. Dr. Marcelo explica que a cirurgia é realizada através da uretra, ou seja, sem cortes, permitindo que seja minimamente invasiva e rápida. “Até pouco tempo atrás, este procedimento era feito por cortes no abdome. Esta nova técnica é realizada pela uretra, utilizando o laser Thulium, e tende a ser mais resolutiva e duradoura, ou seja, o paciente, à medida que a idade avança, dificilmente sofrerá novamente com crescimento futuro da próstata”, explica o urologista do Austa Hospital. Outra vantagem é que a cirurgia a laser consegue remover maior quantidade de tecido da próstata do que a técnica convencional via uretral (ressecção endoscópica de próstata), conhecida popularmente como “raspagem”. Outro benefício importante aos pacientes é a recuperação mais rápida para retorno a suas atividades. Enquanto a cirurgia convencional demanda cerca de 15 dias, o paciente operado a laser está apto em três ou quatro dias. A hiperplasia prostática benigna (HPB) ou aumento benigno da próstata é uma das doenças mais frequentes em homens acima dos 40 anos, sendo mais prevalente a partir dos 50 anos. A maioria dos homens com essa condição necessita de tratamento devido à compressão exercida pelo adenoma em torno da uretra, dificultando a passagem da urina, causando incômodo e dor ao paciente. Os sintomas mais comuns da HPB são o aumento da frequência urinária, episódios de urgência para urinar, a necessidade de levantar-se à noite para urinar, o enfraquecimento do jato urinário e a sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, que atrapalham a rotina e a qualidade de sono do paciente. A cirurgia de enucleação prostática a laser resulta na remoção da parte da próstata que comprime a uretra, promovendo uma melhora importante na qualidade de vida do paciente.

10 de Outubro MAIS

Uma manhã recheada de alegria e emoções para celebrar o Outubro Rosa

O cuidado, o acolhimento e o carinho já estão presentes no dia a dia dos pacientes do Centro de Oncologia do Austa Hospital. Nesta quinta-feira (5/10), no entanto, os profissionais acrescentaram mais doses de alegria ao surpreender os pacientes com uma manhã de muita música, um delicioso café da manhã e um “banho de maquiagem”. Há três meses em tratamento no Austa Hospital, a técnica de enfermagem aposentada Dina Serra da Silva, de 70 anos, abriu largo sorriso quando a publicitária Roseli Alcântara, dublê de maquiadora, perguntou-lhe se gostaria de ser maquiada. “Nossa! Que surpresa linda! Nota 10 para todos, desde a moça da limpeza até os médicos, afinal todos trabalharam para decorar e nos oferecer esta surpresa”, afirmou Dina. “Ao longo do ano, a equipe multiprofissional do Centro de Oncologia procura sempre realizar ações como a de hoje, que contribuem muito para o tratamento. Ter uma equipe especializada e a infraestrutura completa são fundamentais, mas é essencial também a cultura que norteia nossas ações, baseada na humanização, acolhimento, segurança e cuidado de cada paciente”, ressalta a oncologista Bárbara Cristina Benetton Pinto, médica coordenadora do Centro de Oncologia do Austa Hospital. Além de médicos, profissionais de enfermagem, psicologia e outras áreas especialistas no tratamento do câncer, o Centro de Oncologia dispõem de confortáveis instalações, dotadas de todos os equipamentos e infraestrutura necessária. Consultórios e uma ampla sala de infusão com camas e poltronas onde são ministrados os medicamentos proporcionam, além de conforto, a privacidade necessária a cada paciente. “Aqui, o paciente encontra um espaço só dele que, inclusive, se quiser, pode ter momentos reservados com nossos profissionais ou familiares e amigos”, afirma a psicóloga Renata Alves. O Centro de Oncologia atende a todas as normas da Anvisa, Vigilância Sanitária e demais órgãos reguladores e fiscalizadores da saúde. É totalmente integrado ao Austa Hospital e à Austa Medicina Diagnóstica, o que garante cuidado completo do paciente desde o diagnóstico para confirmação ou não da doença até se houver necessidade de cirurgia, internação em quarto ou UTI e atendimento na emergência. O Centro de Oncologia do Austa Hospital funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e dispõe também de estacionamento próprio, também para conforto de seus clientes. Sobre o Austa Hospital O Austa Hospital, de São José do Rio Preto, é uma das maiores organizações de saúde da região noroeste do estado de São Paulo e referência do setor em assistência humanizada, qualidade e segurança no atendimento e serviços. O Grupo Austa também reúne o Austa Medicina Diagnóstica, o Instituto de Moléstias Cardiovasculares – IMC e a operadora de saúde Austa Clínicas. O Austa Hospital possui profissionais referenciados em suas especialidades e altamente capacitados e dispõe de moderno centro cirúrgico com sete salas para realizar até grandes procedimentos, alta tecnologia em diagnósticos, 40 leitos em UTIs (adulto e pediátrico/neonatal) e mais 100 leitos de hotelaria, com quartos climatizados, ambiente confortável e seguro, tanto para pacientes quanto para acompanhantes. Destaca-se também pelos Serviços de Exames de Imagens, com equipe multiprofissional altamente especializada e modernos equipamentos nas áreas de hemodinâmica, cardiologia, endovascular, neurorradiologia, endoscopia, tomografia, ressonância magnética e radiodiagnóstico. O Austa Hospital é referência também no tratamento de câncer através de seu Centro de Oncologia, onde os pacientes dispõem de ambiente acolhedor, humanizado, confortável, com equipe multidisciplinar especializada e moderna infraestrutura. Desde 2004, o Austa Hospital está comprometido com as seis metas internacionais de segurança do paciente estabelecidas pela Joint Commission International, em parceria com a OMS. Em 2022, conquistou a recertificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) com Excelência – nível 3, que atesta que o hospital possui excelência em gestão, com foco em segurança e transparência, buscando sempre a melhoria contínua da qualidade assistencial.

05 de Outubro MAIS