fbpx

Hospital privado com Selo de UTI Eficiente - Austa Hospital

Austa Hospital é o único hospital privado de Rio Preto reconhecido pela Epimed com Selo de UTI Eficiente

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) do Austa Hospital e do Instituto de Moléstias Cardiovasculares – IMC, integrantes da holding de serviços de saúde Hospital Care, estão entre as mais eficientes do Brasil e atendem aos mais altos padrões de assistência e qualidade, segundo a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB).

“Ao conceder as certificações, a AMIB e a Epimed sinalizam para a nossa comunidade que nossas UTIs dispõem de profissionais intensivistas capacitados e alta tecnologia em equipamentos e infraestrutura para que possamos oferecer o melhor cuidado aos pacientes”, afirma Rafael Chanes, diretor presidente do hub que reúne o Austa Hospital, IMC e demais empresas da Hospital Care.

A Unidade de Terapia Intensiva Geral do Austa Hospital recebeu a certificação “UTI Eficiente”, que atesta que obteve bons resultados clínicos com alocação mais eficiente dos recursos no cuidado dos pacientes críticos.
Entre todas as unidades avaliadas, apenas um seleto grupo recebeu a certificação “UTI Top Performer”, dentre está a UTI do IMC, que apresentou os melhores resultados clínicos.

Para conceder as certificações, a AMIB e a Epimed avaliaram 707 hospitais e instituições de saúde do Brasil, representando o maior registro epidemiológico de UTIs de todo o mundo, segundo a Associação.
“Estas certificações têm por objetivo orientar políticas de saúde e estratégias para melhorar o cuidado dos pacientes críticos no país e a eficiência das UTIs”, afirma Marcelo de Oliveira Maia, diretor presidente da AMIB. “UTIs com estas características contribuem de forma diferenciada para garantir a sustentabilidade e a qualidade do cuidado dos pacientes de alta gravidade e complexidade”, completa Carlos Reis, CEO da Epimed Solutions, empresa especializada em soluções para gestão de informações clínicas e epidemiológicas que melhoram a eficiência do atendimento hospitalar e a segurança do paciente.

O sistema da Epimed está presente em mais de 750 UTIs de 400 hospitais brasileiros, que totalizam 11.000 leitos, nos quais mais de 1 milhão de pacientes estiveram internados no ano. “Possuímos a maior base de dados clínicos e epidemiológicos da América Latina para que possamos elaborar a nossa matriz de eficiência”, afirma Carlos Reis.

 

compartilhe Compartilhe no Facebook Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Twitter

Novembro Azul – Ação Solidária

Em parceria com o Instituto dos Cegos, Austa Hospital e o Austa Medicina Diagnóstica realizam consulta e exame preventivos de câncer de próstata em 36 deficientes visuais Passada a pandemia da covid-19, o Austa Hospital e o Austa Medicina Diagnóstica voltam a realizar este ano uma importante ação de prevenção ao câncer de próstata, no Instituto dos Cegos Trabalhadores de Rio Preto. Durante a manhã desta terça-feira (21/11), 36 deficientes visuais passaram por consulta com Dr. Glauco Veloso Rodarte de Melo, o médico urologista do Austa Hospital e coordenador da ação solidária. Na primeira ação, realizada em 2019, um dos 40 homens atendidos descobriu ter câncer de próstata. “Felizmente, houve tempo de realizar a cirurgia e ele está curado. Salvamos uma vida, o que recompensa o empenho de todos do Austa e do instituto envolvidos nesta iniciativa”, afirma o urologista. Pai de um deficiente visual, Dr. Glauco, ao ter contato com o Instituto, constatou à época que os homens com mais de 40 anos atendidos pela entidade jamais haviam realizado o exame preventivo. “Convidei o Austa Hospital para ser parceira nesta ação de prevenção e aderiu imediatamente”, conta o urologista. Além do hospital, o Austa Medicina Diagnóstica também participa, realizando os exames de PSA, sigla em inglês para o antígeno prostático específico, que tem por objetivo auxiliar o médico urologista na detecção, precoce ou não, do câncer de próstata e de outras doenças, como a hiperplasia prostática benigna e a prostatite. A fisioterapeuta Regiane Pires, coordenadora do Instituto dos Cegos Trabalhadores, destacou a importância da ação. Assim como em 2019, desta vez o professor de música Nei Cândido dos Santos fez questão de fazer o exame e passar pela consulta. “Para nós, que temos dificuldade de mobilidade pela cidade, é realmente complicado ir a um centro médico para fazer o exame. Com essa ação, fica mais prático para nós, que já estamos acostumados a vir aqui no Instituto”, disse o professor de música. O aposentado Ailton da Silva fez questão de se deslocar de Catanduva, onde mora, para ser avaliado pelo urologista, como fez em 2019. “Fazer o exame todo ano nos dá tranquilidade. Todos os homens têm que deixar a vergonha de lado e se prevenir”, afirmou. A importância da mensagem de Ailton fica evidente diante do resultado da pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) sobre a percepção do homem sobre sua saúde. No levantamento, apenas 32% dos homens acima de 40 anos disseram estar muito preocupados com sua saúde e 46% só vão ao médico quando sentem algo. Esse número aumenta para 58% se o homem utiliza apenas o SUS. Apesar do descaso, metade deles tem medo ou ansiedade quando pensam em sua saúde. Apesar de ser a doença mais prevalente da próstata, a hiperplasia benigna (HPB) é conhecida apenas por 43% dos homens. A maioria diz saber sobre o câncer (75%) e a prostatite (59%). O desconhecimento da HPB é maior entre os mais jovens, de 40 a 44 anos (apenas 39% sabem o que é), e entre os moradores da região Norte (33% sabem o que é). A estimativa é de que cerca de 50% dos homens acima de 50 anos terão algum grau de HPB. Na HPB a próstata, uma glândula localizada abaixo da bexiga em homens, aumenta de tamanho devido ao crescimento celular excessivo. E é mais comum em homens acima de 50 anos. Os sintomas incluem aumento da frequência ao urinar durante o dia, diminuição da força e calibre do jato urinário, dificuldade para iniciar a micção, sensação de urgência para urinar e outros sintomas relacionados ao trato urinário. Esses sintomas ocorrem porque o aumento do tamanho da próstata pode comprimir a uretra, o canal que transporta a urina da bexiga para fora do corpo. Isso leva a uma obstrução parcial do fluxo urinário e causa os sintomas mencionados. Além disso, a HBP também pode afetar o funcionamento da bexiga e dos rins. A obstrução do fluxo urinário pode causar um aumento da pressão dentro da bexiga, o que pode levar a problemas na capacidade de esvaziar completamente a bexiga. Isso, por sua vez, pode resultar em infecções urinárias recorrentes e outros problemas relacionados à bexiga. A identificação precoce dos sintomas da HBP é importante para que o tratamento possa ser iniciado imediatamente. Existem várias opções de tratamento disponíveis, incluindo medicamentos para diminuir o tamanho da próstata e aliviar os sintomas, terapia comportamental para melhorar o controle urinário e, em casos mais graves, cirurgia para remover a parte da próstata que está causando a obstrução. Alguns sinais e sintomas, embora não específicos do câncer de próstata, podem ser encontrados e merecem muita atenção: – sangue na urina ou no sêmen; – micção frequente; – fluxo urinário fraco ou interrompido; – noctúria (levantar-se diversas vezes à noite para urinar).

21 de Novembro MAIS

Cirurgia feita com laser mais moderno do mundo, é realizada no Austa

Mais um exemplo dos avanços da tecnologia na medicina em benefício dos pacientes. O urologista Marcelo Cartapatti e equipe do Austa Hospital, de Rio Preto, realizaram, na última sexta-feira, cirurgia com utilização de laser de última geração para tratamento de próstata aumentada em homem de 76 anos, morador de Bady Bassitt. Nesta segunda-feira, apenas três dias após o ato cirúrgico, o paciente teve alta hospitalar, uma das vantagens deste procedimento chamado enucleação de próstata com Thulium laser, considerado o mais moderno do mundo para esta finalidade. O procedimento foi realizado também pelo urologista Felipe Pugliese, do Hospital Brigadeiro, de São Paulo. Atualmente, esta cirurgia a laser é a mais recomendada para solucionar a hiperplasia benigna de próstata, como é chamado o aumento desta estrutura interna do aparelho reprodutor dos homens. Dr. Marcelo explica que a cirurgia é realizada através da uretra, ou seja, sem cortes, permitindo que seja minimamente invasiva e rápida. “Até pouco tempo atrás, este procedimento era feito por cortes no abdome. Esta nova técnica é realizada pela uretra, utilizando o laser Thulium, e tende a ser mais resolutiva e duradoura, ou seja, o paciente, à medida que a idade avança, dificilmente sofrerá novamente com crescimento futuro da próstata”, explica o urologista do Austa Hospital. Outra vantagem é que a cirurgia a laser consegue remover maior quantidade de tecido da próstata do que a técnica convencional via uretral (ressecção endoscópica de próstata), conhecida popularmente como “raspagem”. Outro benefício importante aos pacientes é a recuperação mais rápida para retorno a suas atividades. Enquanto a cirurgia convencional demanda cerca de 15 dias, o paciente operado a laser está apto em três ou quatro dias. A hiperplasia prostática benigna (HPB) ou aumento benigno da próstata é uma das doenças mais frequentes em homens acima dos 40 anos, sendo mais prevalente a partir dos 50 anos. A maioria dos homens com essa condição necessita de tratamento devido à compressão exercida pelo adenoma em torno da uretra, dificultando a passagem da urina, causando incômodo e dor ao paciente. Os sintomas mais comuns da HPB são o aumento da frequência urinária, episódios de urgência para urinar, a necessidade de levantar-se à noite para urinar, o enfraquecimento do jato urinário e a sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, que atrapalham a rotina e a qualidade de sono do paciente. A cirurgia de enucleação prostática a laser resulta na remoção da parte da próstata que comprime a uretra, promovendo uma melhora importante na qualidade de vida do paciente.

10 de Outubro MAIS

Uma manhã recheada de alegria e emoções para celebrar o Outubro Rosa

O cuidado, o acolhimento e o carinho já estão presentes no dia a dia dos pacientes do Centro de Oncologia do Austa Hospital. Nesta quinta-feira (5/10), no entanto, os profissionais acrescentaram mais doses de alegria ao surpreender os pacientes com uma manhã de muita música, um delicioso café da manhã e um “banho de maquiagem”. Há três meses em tratamento no Austa Hospital, a técnica de enfermagem aposentada Dina Serra da Silva, de 70 anos, abriu largo sorriso quando a publicitária Roseli Alcântara, dublê de maquiadora, perguntou-lhe se gostaria de ser maquiada. “Nossa! Que surpresa linda! Nota 10 para todos, desde a moça da limpeza até os médicos, afinal todos trabalharam para decorar e nos oferecer esta surpresa”, afirmou Dina. “Ao longo do ano, a equipe multiprofissional do Centro de Oncologia procura sempre realizar ações como a de hoje, que contribuem muito para o tratamento. Ter uma equipe especializada e a infraestrutura completa são fundamentais, mas é essencial também a cultura que norteia nossas ações, baseada na humanização, acolhimento, segurança e cuidado de cada paciente”, ressalta a oncologista Bárbara Cristina Benetton Pinto, médica coordenadora do Centro de Oncologia do Austa Hospital. Além de médicos, profissionais de enfermagem, psicologia e outras áreas especialistas no tratamento do câncer, o Centro de Oncologia dispõem de confortáveis instalações, dotadas de todos os equipamentos e infraestrutura necessária. Consultórios e uma ampla sala de infusão com camas e poltronas onde são ministrados os medicamentos proporcionam, além de conforto, a privacidade necessária a cada paciente. “Aqui, o paciente encontra um espaço só dele que, inclusive, se quiser, pode ter momentos reservados com nossos profissionais ou familiares e amigos”, afirma a psicóloga Renata Alves. O Centro de Oncologia atende a todas as normas da Anvisa, Vigilância Sanitária e demais órgãos reguladores e fiscalizadores da saúde. É totalmente integrado ao Austa Hospital e à Austa Medicina Diagnóstica, o que garante cuidado completo do paciente desde o diagnóstico para confirmação ou não da doença até se houver necessidade de cirurgia, internação em quarto ou UTI e atendimento na emergência. O Centro de Oncologia do Austa Hospital funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e dispõe também de estacionamento próprio, também para conforto de seus clientes. Sobre o Austa Hospital O Austa Hospital, de São José do Rio Preto, é uma das maiores organizações de saúde da região noroeste do estado de São Paulo e referência do setor em assistência humanizada, qualidade e segurança no atendimento e serviços. O Grupo Austa também reúne o Austa Medicina Diagnóstica, o Instituto de Moléstias Cardiovasculares – IMC e a operadora de saúde Austa Clínicas. O Austa Hospital possui profissionais referenciados em suas especialidades e altamente capacitados e dispõe de moderno centro cirúrgico com sete salas para realizar até grandes procedimentos, alta tecnologia em diagnósticos, 40 leitos em UTIs (adulto e pediátrico/neonatal) e mais 100 leitos de hotelaria, com quartos climatizados, ambiente confortável e seguro, tanto para pacientes quanto para acompanhantes. Destaca-se também pelos Serviços de Exames de Imagens, com equipe multiprofissional altamente especializada e modernos equipamentos nas áreas de hemodinâmica, cardiologia, endovascular, neurorradiologia, endoscopia, tomografia, ressonância magnética e radiodiagnóstico. O Austa Hospital é referência também no tratamento de câncer através de seu Centro de Oncologia, onde os pacientes dispõem de ambiente acolhedor, humanizado, confortável, com equipe multidisciplinar especializada e moderna infraestrutura. Desde 2004, o Austa Hospital está comprometido com as seis metas internacionais de segurança do paciente estabelecidas pela Joint Commission International, em parceria com a OMS. Em 2022, conquistou a recertificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) com Excelência – nível 3, que atesta que o hospital possui excelência em gestão, com foco em segurança e transparência, buscando sempre a melhoria contínua da qualidade assistencial.

05 de Outubro MAIS